Bolsonaro dá aval ao ministro da Justiça para troca do diretor-geral da PF

Anderson Torres, recém-empossado, recebeu autorização do presidente para tirar o Rolando de Souza do cargo. Haverá mudanças também na PRF.

O novo ministro da Justiça e Segurança Pública, delegado Anderson Torres, pretende trocar o diretor-geral da Polícia Federal (PF), Rolando Alexandre de Souza.

Nesta terça-feira (6/4), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deu aval para que o novo titular da pasta promovesse as mudanças. Ainda não houve indicação de substituto.

Bolsonaro comentou brevemente a troca durante a cerimônia de posse de Anderson. “Eu quero te agradecer, Anderson, por ter aceitado o convite, que realmente é um desafio. Não é fácil e não é um ministério complicado, mas é um ministério que tem muita responsabilidade. Abaixo de você ali, diretamente subordinado entre outras, [está] a sua própria Polícia Federal”, destacou.

O presidente completou. “E é natural a mudança. E a gente sabe que você, todas as mudanças que efetuará no seu ministério, é para melhor adequá-lo ao objetivo, ao qual você traçou. Você quer o Ministério da Justiça, o mais focado possível para o bem de todos em nosso país”, frisou.
Crise

Em meio à crise decorrente da exoneração do então diretor Maurício Valeixo, Rolando de Souza assumiu a chefia da PF em maio de 2020. Ele foi indicado por Alexandre Ramagem, impedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) de assumir o cargo.

A demissão culminou na saída do então ministro da Justiça Sergio Moro – que alegou, à época, que a troca seria uma tentativa do presidente Bolsonaro de interferir politicamente na corporação.

Nos bastidores, comenta-se que Torres e Rolando se dão bem e estreitaram relacionamento durante a passagem de Torres pela Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal. Os dois, porém, não pertencem ao mesmo grupo na PF.

Mudanças também na PRF

As mudanças não devem ficar restritas à PF. Nos bastidores, comenta-se que Anderson Torres deseja trocar também o diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Eduardo Aggio.

Antes de assumir a PRF, em maio de 2020, Aggio era assessor especial da Secretaria-Geral da Presidência da República. Apesar da intenção de substituição, ainda não houve a indicação de nome para o cargo.

PF faz prefeito calçar sandálias da humildade

Sadala cita Nogueira ao se defender de estrago da Operação Expurgo; PF faz prefeito calçar sandálias da humildade

Agora no olho do furacão, de repente Ofirney Sadala, conhecido por sua arrogância e brutalidade no meio político, calçou as sandálias da humildade em sabatina virtual com vereadores em sessão ontem a noite e chegou citar o caso envolvendo o ex-prefeito Nogueira, que depois de anos teve seu emprego retomado por decisão do STJ, reformando decisão do Tjap que lhe tirou o cargo público.

Agora com a pecha da corrupção em seu governo com direito ao carimbo da PF, não pode mais arrotar moralidade contra seus adversários como foi feito dias atrás em áudio que viralizou nas redes, onde associou Nogueira à corrupção.

Uma semana depois Sadala mudou a tônica do discurso de arauto da moralidade. O homem tirou a toga de juiz ou promotor de acusação e passou a usar o batom da OAB pra defender o Estado de Direito e a presunção da inocência para sustentar a inocência da sua pupila predileta, que ocupou os holofotes por guardar 10 mil no colchão com direito a dólares e euros, que valem ouro em tempos de pandemia.

Na contramão, Nogueira teria dito com seus botões: “No meu governo a PF nunca bateu na porta da Prefeitura ou arrombou portão de secretário”.

Na República de Almerim instalada na PMS e no clã Sadala, o pânico toma conta dos puxas e baba ovos que viram o telhado da sua casinha desabar.

A frase “a mão que nomeia é a mesma que exonera e encaminha ao Ministério Público”, proferida em sua diplomação não passou de discurso boquirroto, escrito em pedaços de papel higiênico e depois utilizado para as necessidades ao sentar no trono do vaso sanitário e depois ser despejado junto com suas asneiras no esgoto da política que ele tanto condenou.

Vale lembrar que pimenta nos olhos dos outros é refresco!

Em tempo: Deixo uma das frases do arauto de Almerim pra nossos leitores saborearem.

Por Heverson Castro

PF apreende dinheiro em casa da secretária de saúde Municipal de Santana-AP

Casas de empresários, casa da secretaria Maira Carvalho, e a sede da Secretaria Municipal da Saúde do município de Santana, a 17 quilômetros da capital, foram alvos de busca e apreensão pela Polícia Federal (PF) na manhã desta segunda-feira (11). Mandados também foram cumpridos em Macapá.

A operação Expurgo investiga irregularidades e aplicação indevida de quase R$ 2 milhões na contratação sem licitação de uma empresa para ações de limpeza e desinfecção visando o combate à Covid-19 no segundo maior município do estado e que já registrou quase 400 infectados pelo novo coronavírus.

Nas buscas, segundo a PF, foram apreendidos R$ 10,8 mil em dinheiro na casa da secretária municipal de saúde de Santana Maira Carvalho e 3,3 mil dólares e 210 euros na residência de uma empresária investigada.