PROSPERIDADE

Todo ser humano deseja prosperar, alcançar coisas grandes e se orgulhar ao final de sua vida por tantos feitos, por se sentir vivo e útil. Mas até onde a prosperidade é saldável? De qual prosperidade você acredita ser dependente? Prosperar deve ser levado em consideração quando vem acompanhada da presença do Senhor em nossas vidas. Quando nossa existência é útil para o Reino toda e qualquer prosperidade fará sentido, todavia, não se concentra à prosperidade em tesouros, em riquezas neste mundo, pois de acordo com o que diz a palavra de Deus, “aonde estiver o seu tesouro, lá também estará o vosso coração” (Mateus 19:21). Palavras que nos servem de alerta para que saibamos exatamente o que fazer com os recursos que nos vierem às mãos.

O que é prosperidade?

No dicionário da língua portuguesa, a palavras prosperidade significa “estado do que é ou se torna próspero; grande produção de alimentos e bens de consumo; abundância, fartura”.

Já ouvimos falar sobre “grande produção de alimentos”, não é mesmo? José foi usado por Deus para, no Egito, manutenir os mantimentos naquela terra, mesmo tendo ela sido devastada por um período de seca, como previsto através dos sonhos do Faraó. Deus permitiu tempos de abundância para que houvesse sustento nos momentos de escassez. Já se perguntou o motivo por você ter tanto agora? Ou o porque de haver tão pouco em sua mesa nesse exato momento?

Fato é que, independentemente de como esteja a sua vida nesse exato momento, a fartura ou a escassez é algo extremamente palpável e pode lhe alcançar a qualquer momento.

A prosperidade pode ser tanto de alimentos em abundância quanto simplesmente pela bênção de estar sendo guiado por Deus em meio a um deserto (êxodo 13:21).

Não há pecado em querer ter, mas há discordância à luz da Bíblia quando ter implica no que é SER.

O que diz à Bíblia a respeito da prosperidade?

É desejo do Senhor que sejamos prósperos, afinal de contas, Ele não nos colocou aqui para mendigar o pão, entretanto, também não nos trouxe para este mundo para que tivéssemos riquezas e nos esquecêssemos de quem nos concedeu tudo o que possuímos (Deuteronômio 8:19).

Em Salmos, no capítulo 35, versículo de número 27 deixa claro o quanto Deus ama ver a nossa prosperidade, o nosso bem-estar. Porém, logo que vemos o versículo 28, é possível perceber o salmista deixando mais do que claro que, a pesar de Deus se orgulhar e se sentir feliz em nos ver prósperos, fica evidente que tudo isso deve ser acompanhado de profunda gratidão e exultante louvor ao nosso Pai. Pois conforme a última passagem citada declara “e assim a minha língua falará da tua justiça e do teu louvor todo o dia”.

Perceba que não há erros, conforme dito no início, em ser prospero, mas a deficiência em prosperar sem a companhia de Cristo, sem estarmos em sua presença, certamente é algo que destruirá a todos nós. Não há como viver acreditando que somos autossuficientes. É impossível, ainda que com toda a riqueza do planeta, estar completo sem que haja o preenchimento do Seu amor em nossas vidas, em nosso dia a dia.

Determinantemente, é impossível viver longe do amor de Jesus.

O cristão e a prosperidade

Esse tem sido um tema bastante debatido em igrejas e fora delas nos últimos tempos. Como ficam os cristãos em meio à prosperidade?

O Senhor se alegra em buscarmos insistentemente riquezas e preenchimentos de prazeres egoístas? Como o Pai nos olha?

Como bem vimos acima, Deus não nos condena por prosperarmos, pelo contrário, Ele se alegra e é exatamente sua Pessoa quem nos abençoa e nos faz prósperos.

Então, qual o motivo por este tema ser tão polêmico e causar tantas discórdias no meio eclesiástico? Qual é o exato problema em se ter?

Ter e não saber o que fazer com o que se tem, ou simplesmente ter e fazer uso dessa ferramenta não de maneira sadia, antes, tornando-se escravo do próprio crescimento e das consequências que essa condição lhe trouxe. Lembra que nas escrituras está declarado que onde estiver o nosso tesouro, ali estará o nosso coração? Pois é. O que você tem te torna escravo? Sua condição te arrancou dos pés da cruz? Sua conta bancária, suas casas, carros, iates e tantas outras riquezas te fizeram esquecer quem lhe deu tudo isso?

Se tudo o que você tiver de valioso seja o que o dinheiro pode comprar, sinto informar que não há tesouros plausíveis, capazes de te garantir uma passagem para os céus ao encontro do Redentor.

O erro não estar em ser cristão e prosperar, a falha começa quando não entendo a minha condição de cristão. Quando não lembro que o “ide” é mais importante do que o “vinde”, perdi a essência do cristianismo e esqueci dos ensinamentos dAquele que me tornou um cristão, ou seja, de quem se deu em meu lugar para que eu pudesse ser um imitador de sua conduta, para que eu fosse um “minicristo”.

É errado prosperar?

De maneira alguma! É errado aceitar ser apenas mais um, quando de certo você não foi criado para ser mais um. Calma! Todos nós somos apenas “mais um”, mas quando nos entregamos a Cristo e a sua obra, somos “mais um a serviço”, somos MAIS UM SOLDADO no fronte!

Sua vida precisa fazer sentido, e para que isso é preciso trabalhar. É preciso produzir.

Produz-se tanto para seu sustento quanto para o Reino. Produz-se de acordo com o que fomos chamados para cultivar.

A bíblia nos exorta que não devemos ser preguiçosos (Provérbios 21:25). Logo podemos perceber que não sendo preguiçoso, a prosperidade é algo natural. Quando se trabalha, é normal que haja prosperidade, que haja provento.

Em sua palavra, Cristo revela que antes devemos buscar o Reino de Deus e todas as demais coisas nos seriam acrescentadas (Mateus 6:33). Ele elucida de forma simples que NADA iria nos faltar que se decidíssemos buscar a sua glória, a sua face. Ele indica que se cuidarmos do que é dEle, Ele cuidará do que é nosso.

Nossa vida não faria sentido se apenas buscássemos prosperidade para nós mesmos. Deus nos faz prosperar para que através das bençãos que recebemos, pudéssemos ser bençãos em outras vidas (Mateus 25:35-45).

Nossas riquezas não são nossas, jamais serão, pois somos visitantes por aqui. O que aqui conseguirmos, aqui ficará. Prospere, prospere muito! Prospere tanto que tudo o que você conquistar seja instrumento indiscutível de auxílios aos pequeninos do Senhor.

Prospere, tenha carro, casa, lazer e diversão. Tenha conforme para oferecer à sua família. Tenha tudo, inclusive compaixão aos que nada tem. Ajunte todos os seus tesouros nos céus. Ajunte toda a sua fortuna (mesmo que seja R$10,00) para as coisas do reino.

Portanto, não há erro algum em prosperar, desde que seja para se tornar útil na vida de outras pessoas.

Se prospero, o mérito é exclusivamente meu?

Nem mesmo a sua vida é exclusiva sua, menos ainda de seus pais – que lhe geraram – pois se isso aconteceu foi graças as misericórdias de Deus.

Há sim mérito seu. Seu esforço te levou a lugares altos. Suas noites em claro, seus dias alongados, suas 24h que não eram suficientes… tudo isso te fez chegar mais longe, tudo isso cooperou para que a prosperidade chegasse ao teu lar.

Não se engane acreditando que tudo quanto você fizer ou tenha feito lhe garantirá prosperidade, condições diferenciadas dos demais de sua vizinhança. Antes, jamais se esqueça de que “nenhuma folha cai da árvore sem que haja a permissão do Pai”. Portanto, “Os olhos do Senhor estão em toda parte, observando atentamente os maus e os bons” (Provérbios 15:3).

Nada sai do controle do nosso Deus (Lucas 21:18). É Ele quem diz quando e se vamos prosperar. É Ele quem nos dá as condições que acreditamos ser exclusivas do nosso ser para lutar em prol daquilo que almejamos.

Você nunca conseguirá um passo sequer sem que haja a misericórdia do Criador.

Se você prosperar ou não, nenhuma das duas situações será mérito exclusivo seu.

O alívio que você espera, seja financeiro, de saúde ou de qualquer natureza pode estar distante, pode demorar mais um dia, um mês ou trinta anos, ainda assim, saiba que há tempo para todas as coisas debaixo dos céus (Eclesiastes 3:1-2). Não se desespere!

Prosperidade

Pelas igrejas ou fora delas, a palavra que dá título a esse vídeo tem sido o verbo da moda. Quem não deseja ser alguém importante e de posses? Eu desejo, você deseja, todos desejamos e, não há pecado nisso, pois devemos lembrar que não fomos criados para sermos criaturas irrelevantes.

Para finalizar, a prosperidade é algo permitido e feita pelo próprio Deus. Tudo que aqui há foi criado para o nosso deleite. Tudo quanto recebermos deve ser encarado como prosperidade. Um pedaço de pão é a prosperidade de quem não tem o que comer. A conquista do primeiro emprego é o presente próspero daquele jovem que desejava ingressar no mercado de trabalho. A mesa posta e rica em alimento é a prosperidade de um pai batalhador.

Tudo é prosperidade! A MAIOR DE TODAS AS PROSPERIDADES TEM UM NOME: VIDA COM CRISTO!

Mário Antonio Marques Fascio

Presidente da IVPD

ANA PRECISANDO DE UM MILAGRE

Ana

Quantos de nós não suplicamos pelas providências do Senhor em nossas vidas? Todos ou ao menos grande parte da humanidade acredita que o milagre é parte essencial para provar a existência de um Deus que não precisa provar nada a ninguém. O Deus criador de tudo que há entre nós, o doador do sopro da vida, o Deus de eternidade a eternidade, a quem devemos honra e reverência não necessita provar quem Ele é. Mas ainda assim, sem obrigação alguma, Ele nos indaga em sua palavra: “Provai e vede que o Senhor é bom; bem-aventurado o homem que nele confia.” (Salmos 34:8)

Ana provou, e não simplesmente provou; àquela mulher viu a bondade do Senhor em sua vida. Ela foi bem-aventurada, pois confiou no Senhor, o Deus de seu marido.

O que é milagre para você?

Que a vida de Ana foi um milagre nas mãos de Deus, isso é indiscutível para todo aquele que conhece sua história e o que Deus fez a partir das orações daquela mulher. Deus não somente a honrou, como fez do resultado de suas súplicas um valioso instrumento dos céus aqui na terra.

Mas e para você, o que é milagre? Naquele momento era Ana precisando de um milagre, mas hoje pode ser você ou alguém que você conheça. Então responda para si mesmo o que é milagre em sua concepção. Seja sincero e veja o que sua resposta diz à sua mente. Lembre-se, Deus não é um serviçal a nossa disposição em todos os momentos; filtre seus pedidos e suas necessidades.

Para mim, milagre é tudo aquilo que vai de encontro ao propósito de Deus. É quando o homem pede aquilo que não vai tão somente satisfazer a sua existência, antes servirá como um alívio para sua caminhada, junto é claro, de um plano maior do Senhor. Em outras palavras, milagre é algo que acontece com você para atingir outras vidas. É a rua que se abre em direção à estrada da salvação chamava Jesus de Nazaré, o único digno de abrir o selo.

Podemos usar diversas passagens da bíblia que servem como base para provar que o milagre é algo que deve acontecer na vida do homem para glorificar o nome do Senhor, a saber: João 9: 1-3. O milagre acontece para que através deste feito seja percebido o poder de Deus na humanidade.

Quem foi Elcana?

Elcana foi um homem da cidade de Ramataim-Zofim, região montanhosa da tribo de Efraim. Este homem teve duas mulheres que se chamavam Ana e Penina – prática bem comum naqueles tempos e que perdura até os dias de hoje em algumas regiões do Oriente Médio.

A bíblia nos conta em 1 Samuel, a partir do capítulo 1, que este homem subia todos os anos para adorar e oferecer sacrifícios ao Senhor na cidade de Siló. À Penina e seus filhos e filhas, ele dava uma porção de sua oferta, mas à Ana, por ser amada, ele dava porção dupla (versículo 5).

Perceba que Elcana, homem que seguia algumas das tradições daquele tempo – ora, afinal ele coabitava com duas mulheres – amava mais a Ana que Penina, mesmo Ana sendo estéril. Essa é uma das grandes lições que tiramos da história dessa valorosa mulher: devemos amar, ainda que isto implique em não receber absolutamente nada em troca. No caso daquele homem, um filho vindo do ventre da mulher amada!

Penina: alguém cujo coração não está em Deus

Quantos de nós não recebemos palavras diárias de pessoas descrentes de Deus que, ao ver nosso sofrimento e luta questionam-nos: “onde está o seu Deus?”

Todo aquele que serve ao Senhor serve de zombaria para o próximo. Todo aquele que espera no Senhor, enfrenta momentos de humilhação e provocação. Assim foi com Ana perante sua rival, Penina (1 Samuel 1:6).

Imagina para uma mulher nos tempos bíblicos não ter a capacidade de procriar? Era algo humilhante, era como não ter nenhuma serventia e, para alguém que tinha de dividir a atenção do marido com outra, era como um prato cheio de cólera e sarcasmo.

Posso imaginar em um domingo após mais um culto, aquela irmã que olha para a outra irmã com olhar de inveja e solta: olha lá, já vai a solteirona novamente pra casa. De que adianta ser amada por Deus se não tem como retribuir todo esse amor? Forte, não é mesmo? Mas talvez Penina pensasse exatamente assim de Ana em sua relação com Elcana: “Olha lá, ali está a mulher vazia. Amada por Elcana, mas incapaz de corresponder a esse amor. Mas eu não, eu correspondi às suas expectativas – lhe dei filhos e filhas.”

A irmã da igreja assim como Penina, só não poderia imaginar que Deus não precisa de correspondência para amar alguém, tampouco Elcana necessitava de um filho para ser completamente apaixonado por Ana.

Mais vale um amor sincero que um gostar trocado por migalhas de “presentes” por obrigação.

Ana precisando de um milagre

Ana não queria um milagre para fazer daquela situação algo de sua posse. Ana queria um milagre para fazer valer a sua existência. Ana queria se sentir útil e retribuir o amor de seu marido.

Mas posso ir além, pois a partir do versículo 9, podemos perceber que ali estava muito mais que um pedido em prol de si mesma. Ali Ana dizia naquelas orações: “Deus, sei que o Senhor não tem obrigação de me conceder nada do que eu pedir, mas olhe pra mim, olhe para essa mulher angustiada que a tristeza tem acometido dia após dia, que tem servido de escárnio para uma mulher que pensa ser melhor do que tua serva por ser capaz de dar à luz. Faz de mim alguém capaz de gerar uma vida, não para a minha glória, mas para que o teu nome seja glorificado e visto como o nome sobre todo nome.”

Ana confiou que Deus poderia não somente lhe dar um filho, mas que Ele próprio daria a resposta à Penina. O próprio Deus diria através do milagre de Ana: “Eu, o Senhor da vida de toda a humanidade, permiti o milagre na vida desta mulher para lhes provar que EU FAÇO PELO HOMEM, EXATAMENTE AQUILO QUE ELE JÁ NÃO TEM A CAPACIDADE DE FAZER.” O nome disso é milagre. Deus opera milagres para engrandecer ao seu nome. Somos apenas o canal.

No versículo 8, do mesmo capítulo, Elcana pergunta a Ana o motivo pelo qual ela chorava e emenda lhe questionando se ele não poderia ser melhor para ela do que dez filhos. Aquele homem certamente amava a Ana.

A ousadia de Ana

Ana ousou, e podemos observar tal ousadia em 1 Samuel 1:11, quando fazendo um voto com o Senhor, lhe promete que se a partir dela nascesse um varão, ele seria oferecido a Deus por todos os dias de sua vida e que navalha alguma passaria sobre a sua cabeça.

Que ousadia! Que prova! Que confiança!

Quantos de vocês teriam tal coragem?

Você seria capaz de pedir a Deus algo que tanto deseja e simplesmente, no ato da conquista, devolver ao Senhor em forma de gratidão?

Difícil imaginar, não é verdade? Caramba, eu tanto quis, tanto fiz, e agora devolvo para aquele que me presenteou? Presente não se devolve, não é verdade?

Ela não somente orou, mas no meio de sua súplica, precisou ouvir de Eli, o sacerdote, que ela estava bêbada por apenas mexer os seus lábios, sem que dali saísse som algum. Quantos de nós no processo de oração não passamos por pré-conceitos, por momentos em que diversas pessoas nos dizem que deveríamos nos afastar de Deus?

Quem foi que disse que servir ao Reino é tarefa fácil?

Ana ainda teve tempo de explicar a Eli, leia do versículo 15 ao 18. Ana não somente explicou, mas recebeu do sacerdote uma palavra de ordem, algo que profeticamente, entendendo o contexto da situação, poderíamos dizer que era o próprio Deus confirmando a aceitação das súplicas de sua serva: “Vai em paz e o Deus de Israel te conceda o pedido que lhe fizeste.” (V17)

O milagre nasce e é chamado: SAMUEL

A bíblia diz que eles voltaram para casa, em Ramá, e então Elcana coabitou com Ana. Naquele instante o Senhor se lembrou dela  e lhe concedeu o desejo de seu coração: ela já não mais seria o motivo das risadas de Penina, agora seria alguém ativa no reino. Ela seria a mãe do profeta que um dia ungiria o rei de Israel – a raiz de Cristo no mundo.

Ana não sabia, mas aquele pedido era exatamente o que Deus estava esperando para trazer ao mundo um grande homem.

Quantos de nós não pedimos algo que não acrescentará absolutamente nada ao reino, não é verdade? Deveríamos deixar de lado nossas particularidades e os bel-prazeres passageiros deste mundo e suplicar aos céus aquilo que pode mudar a história de um povo, de uma cidade, de uma rua ou de uma família.

Você acredita em milagres? Ana acreditou, confiou e teve a resposta para aquilo que tanto amargurava o seu coração: podem zombar da tua vida ou dizer que para nada você serve, mas a última palavra vem do Senhor.

Acredite em milagres! Creia que Ele pode mudar a tua história, sobretudo, creia nos milagres que mudarão vidas alheias através da estrada de bênçãos que Deus quer inaugurar em você.

Mário Antonio Marques Fascio

Presidente da IVPD – Igreja Virtual Povo de Deus

Abraão o pai da fé

Prefácio

Para começarmos, faço a você, a quem me assiste, uma simples pergunta: Teria você coragem, mas aquela coragem abrasadora, de aceitar ser tocado por Deus, de uma forma nunca antes vista, modificando à sua maneira de viver que conta com determinados luxos, te levar a uma terra distante, e ainda, após tudo isso, ter o seu nome mudado? A mudança de nome é muito mais que simplesmente um rebatismo social, é a mudança de caráter e personalidade.

A galeria (Hebreus) dos heróis da fé está cheia de homens que decidiram pelo toque magistral do Todo-poderoso e, dessa maneira, suas vidas nunca mais foram as mesmas. Sabe qual nome se dá pra esse “fenômeno”? Fé.

Abrão (Gênesis 12)

Abrão foi chamado por Deus a deixar a casa de seu pai aos setenta e cinco anos, levando consigo seu sobrinho Ló e tomando para si Sarai como sua esposa. Ali iniciou-se a saga deste homem que até os dias atuais nos encoraja quando falamos de fé.

Quando ainda era Abrão, o SENHOR já lhe havia prometido que o faria grande nação, abençoando e engrandecendo o seu nome. Ou seja, não é preciso que você já tenha passado pelas mãos do oleiro, basta que, mesmo ainda não sendo a pessoa que Deus visualiza, você tenha a coragem de ouvir a sua voz e aceitar o seu chamado.

Entenda que quando Deus engradece o nome de um homem, não é para que haja soberba em seu coração, antes, é uma forma de mostrar ao mundo, ainda que de maneira diminuta a glória do próprio Pai celestial.

Deus cuida dos seus filhos (Gênesis 12:10)

Abrão ainda edificou um altar para o Senhor na cidade de Ai, após, caminhou até a terra do Egito, para ali peregrinar.

A vida de Abrão não foi das mais fáceis naquelas terras, talvez já indicando o que aconteceria ao seu povo anos a frente, durante 400 anos de escravidão (por terem se distanciado do Criador – é importante que isso seja dito).

Abrão pede que Sarai, por ser mulher formosa e, sabendo que os homens daquele lugar viriam até ela, minta a eles dizendo ser sua irmã, assim ele poderia ir bem por causa dela. (Gênesis 12:14).

O Pai da fé talvez ainda não tivesse total conhecimento acerca do Deus que o guiará.

De certo o rei do Egito fez bem àquele homem, dando-lhe ovelhas, vacas, jumentos e servos (mas pela obra do medo, diferente das promessas que Yaveh o havia feito), entretanto, por conta de Sarai o SENHOR feriu ao Faraó e a sua casa, conforme vemos nos versículos 17 a 20, onde então o primeiro daquela terra compreendeu quem era aquele homem, homem protegido pelo Sobrenado do universo. Com a ordem de ir, partiram dali Abrão, sua mulher e tudo quanto o tinham.

Compreendemos a partir de então que quando Deus age, não há quem possa impedir. Bem como, quando Deus promete, não há benevolências nessa terra que são capazes de suprir ou se comparar.

O Filho da Promessa (Gênesis 13:14)

(Leia também Gênesis 15 – aliança de Deus com Abrão)

Deus ordena que Abrão levante os olhos e o promete toda aquela terra por herança, a ele e sua descendência.

Entendamos que, a partir de Abrão, várias nações foram constituídas, todavia, tão somente a nação de Israel foi a eleita, através de Isaac.

A origem de um povo paralelo ao da Promessa (Gênesis 16)

Por ver que não dava filhos a Abrão, sua mulher então pede que ele se deite com sua serva, Agar, a quem lhe dá um filho por nome de Ismael. Vendo Sarai que havia sido desprezada por sua serva, confessa a seu marido que dá Agar em suas mãos.

Agar foge, mas um anjo do SENHOR a encontra no deserto e diz que ela dará à luz a um filho, a quem sobremaneira multiplicará a sua descendência, e será este homem feroz e sua mão será contra todos, e mão de todos contra ele, habitando diante da face dos seus irmãos (o povo Árabe nasce a partir de Ismael).

Observe, desde a teimosia de Sarai, quando não soube aguardar a promessa do Senhor, há contenda entre Árabes e o povo santo escolhido por Deus, Israel. Mas é preciso compreender que, todos os povos da terra são descendência daquela família, sobremaneira, deveríamos todos festar, e alegrarmo-nos como uma grande família, entretanto, pela busca de poder, o fanatismo e o distanciamento cada vez maiores da casa do Pai, o mundo morre a cada novo dia no maligno.

Circuncisão – sinal da aliança

Em Gênesis 17, podemos observar que Deus diz a Abrão que este deve circuncidar-se como forma do sinal da aliança entre Deus e homem. A partir desse marco não mais seria Abrão, mas sim Abraão, pois por pai de muitas nações havia sido posto.

O Senhor prometera a Abraão em possessão perpetua toda a terra de Canaã, a ele e a descendência após ele.

No versículo 8 do mesmo capítulo, podemos observar que o Senhor prometeu dar a terra de Canaã para o povo que viria após Abraão, não após Abrão, porquanto aquele homem já não mais existira. E ainda, vale ressaltar que a promessa envolvia também a Sara, a quem essa sim, ele tomou por sua mulher e a fez sua família. Assim, entendemos que não há motivos para que o povo Árabe reivindique as terras de Israel como se fossem por direito suas. Nunca houve uma terra chamada Palestina naquele local.

O filho da promessa e o os sonhos de Deus (Gênesis 18)

Deus cumpre a promessa feita a Abraão, dando a ele o filho de sua promessa, o segundo patriarca, pai de Israel. A partir de então, Deus tem provado e aprovado a Abraão. Deus fez deste homem o espelho para o que haveria de acontecer, mas que ainda estava nos planos celestiais. Deus pede a Abraão seu filho em sacrifício, mostrando ao mundo o que faria por nós, ao dar o seu único Filho em pagamento pelos nossos pecados.

Podemos observar de duas maneiras o pedido de Deus:

  1. Mostrar ao mundo que Ele sim daria o seu único filho por amor a nós, mas não tomaria em sacrifício o filho do seu servo para que entendesse o amor e a obediência que este tinha para seu Senhor.
  • Informar à humanidade que quando se coloca a vida de um filho no altar, Ele abençoa e toma em suas mãos a descendência daquele que foi fiel ao seu chamado.

Portanto, Abraão é dito como o pai da fé por ter entendido que, mais valia peregrinar em busca de alcançar as promessas de Deus que se manter em uma terra pecaminosa, usufruindo de tudo que tinha, quando não era tudo aquilo vindo das mãos de Deus.

Mário Antonio Marques Fascio

Presidente da IVPD

Como interagir com o Espírito Santo?

Como podemos interagir com alguém que não podemos ver, tocar ou simplesmente ouvir com os ouvidos humanos?

Parece loucura quando ouvimos pessoas dizendo que conversam com o Espírito Santo, que Ele responde e ainda indica caminhos ou os auxilia nas orações que fazem diariamente ao Altíssimo. Pode até parecer, mas não é nenhuma loucura. É a promessa feita por Jesus aos seus discípulos quando retornou aos céus após ter estado entre nós em sua ressureição.

Em João, capítulo 14 e versículos 15 a 17 Jesus diz que subirá aos céus, mas pedirá ao Pai que envie um Consolador para que esteja conosco até a consumação dos séculos. Esse Consolador atende pelo nome de Espírito Santo.

Quem é o Espírito Santo?

Já podemos ver o agir do Espírito Santo no inicio de tudo, quando Ele pairava sobre a face do abismo (Gênesis 1:2).

O mesmo Espírito Santo que esteve cuidado do nosso planeta na semana da criação, zelando-o enquanto permanecia sobre a face das águas, quando tudo aqui ainda era sem forma e vazio, é o mesmo que fala conosco e nos revela a identidade de Jesus Cristo (1 Coríntios 12:3).

Devemos interagir com o Espírito Santo

Se você pode falar com Deus, também pode interagir com o Espírito Santo.

É impossível viver neste mundo sem que tenhamos o auxílio do Consolador, a quem Cristo se referiu aos seus discípulos.

O Espírito Santo é uma pessoa

Como eu posso afirmar que um Espírito é uma pessoa? Cientificamente a minha tese seria excomungada, todavia não falamos de ciências quando queremos provar do maná do Senhor em nossas vidas.

Em João 16:14, Cristo diz aos que estiveram com Ele em seu ministério na terra que o Espírito Santo viria e o glorificaria e vo-lo anunciaria aos homens.

Como interagir com o Espírito Santo? Fica fácil de responder se partirmos do pressuposto de que Ele é de fato uma pessoa, não uma pessoa qualquer, mas a Pessoa da trindade que é capaz de falar, pensar, sentir e agir assim como nós.

O Espírito Santo interage e nos ensina

O Consolador é o nosso professor na matéria celestial.  Em João 14:26 é relatado que Ele nos ensinará as coisas e nos fará lembrar de tudo que Cristo disse quando aqui esteve. Essa é uma das formas que se pode interagir o Espírito Santo.

Não entristeça o Espírito Consolador de Deus

Outra prova de que Ele é uma pessoa é que pode se entristecer. Não é dado a um simples espírito sentimentos, mas ao Espírito Santo sim.

A palavra nos exorta que de não devemos entristece-lo, segundo o apóstolo Paulo em sua carta aos efésios: “E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes selados para o dia da redenção.” (Efésios 4.30)

Ele toma decisões

Como interagir com o Espírito Santo implica em entender que Ele toma decisões, vejamos em Atos 15:28: “Pois pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor maior encargo além destas coisas essenciais.”

Por último saiba

O Espírito Santo zela por você, zela por mim e zela por todo aquele que compreende que Cristo é filho de Deus e nosso advogado à direita do Pai. O Espírito é capaz de interceder por nós frente ao Dono da vida, como vemos a partir de Romanos 8.26-27: “Também o Espírito, semelhantemente, nos assiste em nossa fraqueza; porque não sabemos orar como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós sobremaneira, com gemidos inexprimíveis. E aquele que sonda os corações sabe qual é a mente do Espírito, porque segundo a vontade de Deus é que ele intercede pelos santos.”

Mário Antonio Marques Fascio

Presidente Administrativo da IVPD

Como lidar com pessoas difíceis

A bíblia num todo nos adverte, ensina e exorta quanto a lidar com pessoas difíceis. Pois, se você olhar para dentro de si, perceberá que existe, no particular, outra pessoa difícil. Não é simples lidar com pensamentos, vivência e crenças individuais (não falo crença religiosa, implico sobre o lado único de cada ser) ao que tange cada personalidade.

Jesus lidando com Pedro

Você certamente já leu sobre Pedro ao fio da espada decepando a orelha de um soldado romano (João 18:10). Por esse breve relato de João, pode-se perceber o quão genioso e explosivo era Simão Pedro. Mas Jesus soube lidar com tal temperança, fazendo daquele homem seu discípulo, e edificando sobre aquela pedra a sua igreja.

Jesus fala a Saulo de Tarso

Outro ponto em que precisamos meditar é sobre a passagem que está em Atos, no capítulo 9. O Senhor fala a Saulo, perseguidor da igreja, o indagando sobre o motivo pelo qual aquele soldado O persegue. Veja que Jesus não pergunta o motivo pelo qual o mais tarde, apóstolo Paulo, dedica sua vida a combater a igreja, mas fala-lhe em primeira pessoa. Assim você consegue perceber o quão impactante é o agir de Jesus mesmo após sua ascensão aos céus.

Jesus deu um grande exemplo a respeito de como lidar com pessoas complexas, de temperamento forte ou contrárias à nossa verdade de vida.

Ame ao próximo como a ti mesmo (Mateus 22:37-39)

Há um mandamento dado por Cristo que nos ensina a amar o próximo como amamos a nós mesmos. Veja bem o que o Senhor diz: SE VOCÊ SE AMAR, CERTAMENTE CONSEGUIRÁ AMAR AO TEU SEMELHANTE, POR OUTRO LADO, SE O TEU AMOR EM PARTICULAR NÃO EXISTE, OU SUBEXISTE, SERÁ IMPOSSÍVEL AMAR AO QUE ESTÁ AO SEU LADO.

Lidar com pessoas difíceis implica em primeiramente nos amarmos. Pois, se assim for, com certeza seremos capazes de amar a quem até mesmo nos persegue.

Deus é amor, mas é também justiça

Em Mateus 5:5 temos um exemplo de como devemos ser, esse é o capítulo das “bem-aventuranças”, veja: Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra.”

Essa passagem implica sobre como lidar com pessoas difíceis. Mas caso não tem entendido, é simples explicar: Todo aquele que for manso, não somente herdará a terra, mas saberá como cuidar e cultivar tudo o que nela há, sobremaneira, sabendo até mesmo como lidar e cuidar de pessoas com personalidades fortes e muitas vezes ignorantes. Ser manso é uma forma simples e eficaz para que, com racionalidade, possamos ver o que há de melhor naquele cujo sentimento explosivo pode esconder no mais íntimo de sua alma.

Deus é amor, mas é também justiça, lembra? E por sua justiça, certamente se não agirmos como Cristo, seremos advertidos pelo Pai em dado momento de nossas vidas.

Considere ler

Leia Gálatas 5. Daqui você poderá extrair outras formas de como lidar com pessoas difíceis.

Mansidão e domínio Próprio

Em Gálatas 5:23 há um exemplo claro de como lidar com pessoas difíceis – através dos fruto do espírito santo (sim, FRUTO, pois está tudo em apenas uma posição).

Mário Antonio Marques Fascio

Presidente da Igreja da Vitória do Povo de Deus – IVPD

Conteúdo pode ser reproduzido se falar a fonte.

O fim dos tempos

“Habitarão nela, e já não haverá maldição, e Jerusalém habitará segura”. (Zacarias 14:11)

Esse tempo descrito por Zacarias há de vir, e não demora. Cristo voltará e reinará para toda a eternidade. Haverá uma Nova Jerusalém e um só povo, cujo majestade pertence ao Senhor que morreu em um madeiro e hoje vivo está assentado à direita de seu Pai, reinando em glória e herdeiro de tudo que há, fazendo de nós filhos do único Deus por seu intermédio.

Só há um caminho de chegar a esse tempo e ver sua face diante de nós. Ele é o próprio caminho. Ele é a verdade. E a vida está nele e, com ele. A vida é ELE! Creia! (João 14:6)

As visões de Daniel

É preciso compreender que o fim dos tempos é abordado bem antes de João. Ainda na antiga Babilônia, em maio ao exílio imposto por Nabucodonosor, Daniel teve visões acerca do tempo do fim. Não somente dos tempos vindouros, haviam também, revelações ao seu tempo. (Daniel 12)

A capítulo 12 do livro de Daniel em especial nos revela que NAQUELE tempo se levantará Miguel em favor do povo de Deus. Ao indicar o que aconteceria ao profeta, o anjo ordena que Daniel encerre as palavras e sele o livro, o qual só poderia ser aberto por Cristo, após sua expiação na terra (Lucas 19:10).

(Leia todo o capitulo 12 de Daniel e, após os capítulos 19 de Lucas e também 19 do evangelho de João para ter um melhor entendimento sobre como discorrer esse assunto até chegar em Jesus, que aparecera para Daniel quando da sua revelação).

Capítulo 14 de Zacarias

Ainda que este capítulo possa dizer mais a respeito de seu tempo, Zacarias nos permite compreender o tempo que há de vir. Ele nos mostra o que de fato acontecerá na volta do Senhor, em glória, reluzente e com o troféu da vitória junto de si – os Cristãos que perseveraram e foram fiéis até o fim.

Apocalipse – o livro das revelações

Os primeiros livros do apocalipse são palavras vindas do Senhor Jesus diretamente às 7 igrejas da Ásia, não sendo palavras para o tempo que estamos vivendo (ainda que sejam algo que podemos sim tirar como lições, pois muitas das coisas que são apresentadas pelo Senhor em sua fala, ainda são vivenciadas nos dias atuais. Conforme afirmou nosso irmão, o profeta Oséias, o povo de Deus tem sido destruído (ainda que por conveniência) por lhe faltar conhecimento (Oséias 4:6), conhecimento este que vem sendo desprezado dia após dia por não abrirem suas bíblias e apreciar o que ali está escrito, nosso guia perfeito e agradável.

Leia Apc 4 (para inciar)

Leia Apc 5, ao qual você entenderá Daniel 12 quanto a abertura daquele livro que havia sido selado pelo profeta, o qual tão somente o cordeiro é digno de abrir – os 7 selos.

Os 144 mil selados serão israelitas, não necessariamente os que vivem em Isral, pois devemos lembrar que os 4 cavaleiros do apocalipse representam os 4 cantos da terra, os 4 ventos, ventos esses que não afetarão os selados de Deus, logo podendo entender que os 144 mil estarão espalhados pela terra, bem como os israelitas estão atualmente espalhados.

Quem são as duas testemunhas? (Apc 11)

Muitos estudiosos entendem por ser Elias (poder para fechar o céu par que não chova) e Móises (poder para converter as águas em sangue).

A besta os perseguirá e os matará, mas Deus fará justiça, levando-os de volta aos céus, atemorizando a todos os que presenciarão o acontecimento.

A mulher agraciada e o dragão (apc 12)

Leia e discorra, pois esta mulher falada é Israel, e a coroa com doze estrelas representa as 12 tribos, e o dragão a perseguirá e tentará roubar a criança – simbolizando a Jesus – porém Deus reterá o pequenino nos céus. No momento da volta do Senhor, houve batalha nos céus onde Miguel expulsa a antiga serpente e João vê sua queda como um raio. Nesse momento o diabo não tem mais autonomia para estar presente nas regiões celestiais como representante da terra, pois este mundo já não pertencia mais a ele.

A Nova Jerusalém

Leia apc 21 – o novo céu e a nova terra.

Leia também apc 22 – dois últimos capítulos para fechar o entendimento.

Considerações finais

Muitos não acreditam no fim dos tempos, na volta de Cristo e que este mundo que conhecemos não mais existirá, mas é preciso que acreditem, pois tudo o que está escrito hão de acontecer. Quem tem ouvidos ouça o que diz o Espírito (apc 2:7).

Creia nesta palavra: “Naquele dia haverá um só Senhor, e somente seu nome será adorado”. (Zacarias 14:9)

Mário Antonio Marques Fascio

Presidente da IVPD

P.S.: Você pode copiar basta citar a fonte

Coisas ruins acontecem com pessoas boas

Primeiramente, nenhum de nós somos bons verdadeiramente, pois temos em nós o pecado a partir da queda. Mas pela misericórdia do Senhor que por amor de nós se entregou para tivéssemos esperanças de vida eterna.

Coisas ruins acontecem com pessoas boas e pessoas más. Coisas ruins acontecem com pessoas boas e com o Filho de Deus, que estava acima de qualquer bondade que possa existir no mundo.

Coisas ruins acontecem o tempo todo com todos, não importa o país, a classe social ou o número do sapato de calça.

Coisas ruins acontecem, mas coisas boas sobrepõe a toda maldade

Você lembra quando Deus disse a serpente que ela feriria o calcanhar da mulher, porém a sua descendência lhe pisaria à cabeça? Ali Deus deixou claro e evidente de que coisas ruins aconteceriam, mas as boas iriam sobrepor a tudo que fosse iníquo. A descendência a qual o Criador se referiu foi a vinda de Cristo, quando ressurreto tomou das mãos da morte a chave da vida e indicou que somente Ele era o caminho, a verdade e a vida, e que ninguém, absolutamente ninguém poderia chegar ao Pai se não fosse através da sua pessoa (João 14).

Coisas boas acontecem para pessoas ruins

Pois é, coisas boas acontecem com você e comigo, pessoas ruins por natureza, vejamos em Hebreus 6:9-11: “Quanto a vos outros, no entanto, ó amados, estamos convencidos de que a vossa situação é muito melhor, sendo beneficiados com as bênçãos decorrentes da salvação. Porquanto Deus não é injusto para se esquecer do vosso trabalho e do amor que revelastes para com o seu Nome, pois servistes os santos, e ainda os servis. Desejamos, contudo, que a cada um de vós demonstre o mesmo esforço dedicado até o fim, para que tenhais a plena certeza da esperança.”

Somos beneficiados pelas bênçãos que vem diretamente do altar celestial, mediante a isto, as coisas boas acontecem para pessoas ruins na mesma medida que as coisas ruins acontecem com pessoas boas. Estamos no mundo, sendo assim, estamos propícios a toda situação que implica à vida.

Entenda que no mundo teremos aflições

Não podemos viver de lamúrias, acreditando que nada de ruim pode nos acontecer pelo simples fato de vivermos com Deus, de sermos íntimos e servos fiéis. Você está muito enganado, e se pensar dessa maneira pode se considerar um filho mimado que não aceita as circunstâncias já reveladas nas escrituras.

Não devemos acreditar em músicas que dizem que os filhos da promessa não sofrem (os verdadeiros sofreram 400 anos de escravidão no Egito – leia o livro do Êxodo) ou que você não morrerá enquanto a promessa não se cumprir (Moisés morreu sem ver o povo adentrar à terra prometida – leia Deuteronômio 34). Deus age como quer, da forma que entende ser a melhor e cabe a nós aceitarmos a sua palavra final.

Desde o haja até os dias de hoje Deus permanece sendo o mesmo, imutável e cheio de glória.

Cristo declarou que no mundo teríamos aflições, mas que deveríamos manter o ânimo no topo, pois se Ele venceu o mundo, estamos com Ele e assim sairemos vencedores dessa guerra que não é nossa, todavia somos soldados combatentes alistados para a guerra sobrenatural onde apenas um será reconhecido como vencedor, e bem sabemos quem será, não é mesmo?

Pessoas ruins também podem ser salvos, se confessarem a Cristo como Senhor (Romanos 10:9).

Mário Antonio Marques Fascio

Presidente Administrativo da IVPD

Deus ama você

Há inúmeras passagens na sagrada escritura que indicam que Deus ama você, que Ele ama a toda a sua criação.

O mesmo Deus que era antes que tudo pudesse existir, é o mesmo Deus que lá do alto do seu trono lhe conhece intimamente, sabe todos os seus pensamentos e sonda o seu coração. Esse mesmo soberano senhor é aquele que é capaz de te amar sendo você o mais miserável dos pecadores.

Afirmo tudo isso com propriedade, pois Deus é amor!

Em 1 João 4:16 fica evidente o quanto Deus ama você: “Deus é amor, e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus nele”.

Como sei que Deus ama você?

Tão simples como o amanhecer de cada dia é saber identificar o quanto Deus ama você, e ama mesmo, ama muito! O exemplo mais claro e irrefutável do amor de Deus é a entrega do seu único filho pregado em uma cruz para te dar salvação frente a um mundo pecaminoso: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. (João 3:16)

Se Deus é amor, então o amor é Deus?

De maneira alguma podemos confundir o “Deus é amor” com o “amor é Deus”. Como muitos de nós falamos, há diversas formas de amar e, muitas delas, bem estranhas e controversas, a exemplo de amores passionais, amores onde o indivíduo esquece de si mesmo e passa e viver a vida do outro como se não houvesse mais nada a que se importar, quando claramente a bíblia diz que devemos amar ao próximo como amamos a nós mesmos. Se você não consegue se amar a ponto de ter que se anular em prol do outro, certamente o que você sente não é amor.

O amor de Deus é o amor ágape, que no grego significa amor incondicional. Esse amor é próximo ao amor que sente uma mãe por seu filho. Porém, o amor incondicional o qual Deus sente por nós transcende ao amor materno, pois em sua palavra Ele declara que ainda que uma mãe venha a se esquecer do seu filho, Ele jamais se esqueceria de ti (Isaias 49:15).

Como sei que Deus me ama?

Deus ama você! Não é preciso entender como é o amor de Deus, basta senti-lo e saber interpretá-lo. Falamos aqui sobre a entrega do seu único filho em prol de nós, falamos também que o amor de Deus por você é o amor ágape, ou seja, incondicional, citamos ainda que Deus é amor como indica 1 João 4:16, mas se ainda for pouco, podemos usar como exemplo a passagem que diz que as misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, vejamos: “As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; Novas são cada manhã; grande é a tua fidelidade.” (Lamentações 3:22-23).

Há o que possa nos separar do amor de Deus?

Cristo quando abriu mão de reinar ao lado do Pai e viver entre os homens por 33 anos, buscou nos mostrar o tamanho do amor de Deus para com a humanidade, sim, a partir dessa afirmação você pode ter certeza: Deus ama você!

Observe um novo relato, na carta de Paulo ao Romanos, no capítulo 8, versículos 38 e 39, onde claramente é notório o quanto Deus ama você e o quanto o autor da nossa vida nos ama: “Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.”

Não tenha mais dúvidas quanto ao amor de Deus para com você. Ame-o do fundo do seu coração, acima de tudo e todos. Saiba que nada pode ser mais forte e eficaz do que o amor do Pai.

Mário Antonio Marques Fascio

Presidente Administrativo da IVPD

Você pode reproduzir o texto citando a fonte

Namoro Cristão

O tema namoro cristão é um assunto bastante abordado em centenas de igrejas na atualidade. Cada vez os adolescentes estão em busca de relacionamentos, tentando suprir uma carência que há 20, 30 anos atrás era inexistente. Mas os tempos mudam, não é mesmo? Sim, os tempos ganham novas caras, mas a bíblia continua a mesma – atemporal.

A seguir, vamos tentar compreender, juntos, a dinâmica a respeito de como deve ser o namoro cristão, o que procurar nessa relação, como vencer as tentações da carne e a idade adequada para o início de um relacionamento saudável e duradouro. Vejamos:

Como deve ser um namoro cristão?

Nenhum relacionamento vem com manual de instruções, certo? Errado! À luz da bíblia temos respaldos sobre como conduzir os nossos relacionamentos, sejam eles namoro, noivado, casamento ou com nossos pais e filhos, amigos, chefes… tudo é uma questão de ouvir o que diz a palavra de Deus.

O namoro cristão deve obedecer ao que ordena a bíblia, respeitando o nosso corpo o qual serve de morada para o Espírito Santo de Deus, respeitar a pessoa que está ao seu lado e principalmente crescer como indivíduo.

Entenda que é no namoro que se forma o dito “sermos um” após o casamento. Conheça a pessoa que está ao seu lado, observe o que ela pensa e espera de um relacionamento com Deus. Não é pecado namorar e no meio do caminho desistir, ao descobrir que aquela pessoa não tem a sua fé alicerçada o suficiente para conduzir uma relação à dois. Pior será permanecer em uma relação (namoro) cuja saúde espiritual está debilitada ou até mesmo inexiste.

Em um namoro cristão procure:

  • Não deixar de orar;
  • Evite ficar sozinho com o(a) namorado(a);
  • Não deixe de ler a bíblia;
  • Tenha mentores de qualidade na igreja;
  • Namore sabendo que o próximo passo deve ser o noivado e posterior casamento;
  • Não se isole dos amigos saudáveis e que te fazem crescer na fé;
  • Ouça sempre os seus pais;
  • Saiba que o(a) seu(sua) namorado(a) não deve ser mais importante que Deus;
  • Sejam amigos um do outros, mas não apenas amigos, MELHORES AMIGOS.

Como vencer os desejos da carne?

Há uma só pessoa em todo o universo que é capaz de nos conduzir à vitória contra os desejos da carne, sejam eles sexuais, de jogos ou qualquer outro tipo de situação que possa nos levar ao declínio da vida cristã e social, chama-se Espírito Santo.

Somente o Espirito Santo é capaz de nos conduzir por um namoro cristão sadio, explorando as qualidades pessoais e intelectuais do(a) parceiro(a) que podem nos fortalecer na fé, não as físicas. Bem sabemos, como dizem as escrituras em Eclesiastes 3:1-8, quando nos declara que “há tempo para todas as coisas debaixo dos céus”.

Não se precipite, aguarde o tempo certo para o seu desejo e, no que tange ao sexual, somente após o casamento.

Qual a idade adequada para iniciar um namoro cristão

Não temos essa informação na bíblia, talvez por não haver de fato uma idade correta para iniciar uma relação amorosa. Só que devemos ter o bom senso, e com já bem mencionei acima – ouvir os pais é de suma importância para uma vida equilibrada – vamos aos pontos que podem te ajudar a entender quando iniciar um namoro cristão:

Seja maduro o suficiente para conduzir uma relação;

Certifique-se que a pessoa ao seu lado tem maturidade;

Converse com seus pais;

Seja amigo em todo tempo;

Converse com o seu líder na igreja;

Peça auxílio do pastor;

Saiba que o namoro é um ensaio para o casamento, não um passa tempo de final de semana;

Coloque em sua mente que essa relação, se for saudável é pra toda uma vida;

Ouça a voz de Deus através das leituras bíblicas;

Cerquem-se de amigos saudáveis;

Caminhem juntos na fé;

Orem juntos;

Frequentem a igreja juntos;

A traição não é um “ponto e vírgula” entre uma briga e outra.

Considerações finais

Se você tem a intenção de namorar determinada pessoa, ore a Deus, peça que Ele te ajude nessa escolha. Peça a Deus olhos de águia para que possa compreender a fundo a outra pessoa. Chame-o(a) para uma conversa e esqueça a timidez, pois a bíblia diz que os tímidos não herdarão os céus (apocalipse 21:8).

É difícil se declarar? Então seja antes de tudo amigo daquela pessoa. Afinal, um relacionamento é sobretudo um laço eterno de amizade e fidelidade.

Mário Fascio

Presidente da Igreja Virtual Povo de Deus – IVPD

P.S: Direitos reservados para IVPD, você pode copiar desde que mencione autor e fonte.

Conexão Gospel no ar

Novo programa na rádio 105,9 FM em Santana/AP, todo sábado, começando as 20:00h e terminando 00:00h, Conexão Gospel, diretor Mário Fascio, apresentação Guto Gomes e Mário Fascio, muito louvor, oração, pregação da palavra, curiosidade bíblicas e muita descontração, não percam, um programa que vale a pena ser visto!

Por: Mário Antonio Marques Fascio (Fascio)