Av. Joaquina Silva do Amaral pede socorro

Os moradores do Novo Horizonte, na Zona Norte de Macapá, reclamam das condições da Av. Joaquina Silva do Amaral, que corta o bairro. O trecho entre as ruas Marabaixo e João de Deus está tomado pelo mato, que, em alguns pontos, chega a atingir 1,7 metro de altura, segundo afirmam os líderes comunitários da região.A via é uma das principais ligações entre os bairros Novo Horizonte e o Jardim Felicidade. De acordo com o líder comunitário João Ximenes, nos últimos 3 anos a vegetação foi tomando conta da via, impedindo o fluxo de veículos no trecho. A linha de ônibus Pedrinhas/Novo Horizonte que trafegava pelo local foi desviada para outra avenida.

O mato alto no local resultou no acúmulo de lixo e na proliferação de animais peçonhentos e pragas, segundo informou Luiza Souza, de 42 anos, que mora há 18 anos no bairro. A parte coberta pelo mato ao longo de 3 anos obrigou os moradores a construirem passarelas de madeira para o tráfego com segurança na área.Com essa situação fica difícil para a ambulância e a polícia entrarem por aqui. Os doentes têm que ser carregados até a parte asfaltada para poderem ir ao hospital”, conta a moradora, acrescentando que em alguns pontos o mato chega a ultrapassar a sua altura, de 1,65 metro.

Os líderes comunitários do bairro já solicitaram à Secretaria Municipal de Manutenção Urbanística (Semur) a limpeza da via, porém, segundo eles, não houve resposta à solicitação.

Reportagem : Ryan Araújo

O Fenômeno das terras caídas


Que acontece diariamente no arquipélago do Bailique, distante 126 quilômetros de Macapá. Trata-se de um fenômeno Natural de erosão da margem fluvial. É o processo de desgaste das margens do rio, causado pelo fluxo de suas águas e pelas fortes chuvas que transportam pedaços dos solos ou de rocha deteriorados (processo de sedimentação), resultando no deslizamento de terras.

Segundo, relatos de moradores que moram no local , muitas coisas já foi destruída pela força das águas, como: (casas, escolas, pontes, comércios etc..)

Reportagem: Ryan Araujo
Fotografias de Ryan Araujo

#Bailiqueesuasbelezas

Câmara de Santana, aprova requerimento para a chamada de servidores municipais em especial a Secretária de Saúde Municipal.

Por requerimentos da vereadora professora Helena, presidente da r. casa de leis, foi aprovado ontem pela câmara municipal de Santana pedido de comparecimento da secretária de saúde municipal de Santana-AP, para explicar a operação expurgo!

Intitulada “Operação Expurgo”, a ação investiga irregularidades e aplicação indevida de quase R$ 2 milhões na contratação sem licitação de uma empresa para ações de limpeza e desinfecção visando o combate à Covid-19 no segundo maior município do estado.

Por Mário Antonio Marques Fascio (Fascio)

A pedido do MP-AP, Justiça determina mais rigor na fiscalização para diminuir circulação de pessoas e conter avanço da Covid-19

Juíza Alaíde de Paula

Na Ação Civil Pública (ACP), o MP-AP aponta o risco iminente de colapso no sistema de saúde do Estado.

Em decisão proferida na noite desta sexta-feira (8), a juíza Alaíde de Paula, titular da 4a Vara Cível e de Fazenda Pública de Macapá, acolhendo pedido de urgência do Ministério Público do Amapá (MP-AP), determinou aos governos estadual e municipal que intensifiquem a fiscalização e adotem as medidas necessárias ao cumprimento das regras de isolamento social. Na Ação Civil Pública (ACP), o MP-AP aponta o risco iminente de colapso no sistema de saúde do Estado.

Além de mais rigor na fiscalização das medidas de isolamento já decretadas pelo Governo do Estado do Amapá (GEA) e Prefeitura de Macapá (PMM), a Justiça determinou a restrição de circulação de veículos em Macapá, seja por meio de bloqueios de ruas e avenidas de maior fluxo ou mesmo pela determinação de rodízio de veículos, com fiscalização por radares eletrônicos e/ou por agentes de trânsito, além da aplicação de multa no caso de descumprimento.

Deve, ainda, o Poder Público regulamentar os decretos que tratam do distanciamento social, adotando as seguintes providências:

– Intensificar a fiscalização, por órgãos administrativos com poderes de polícia;

-Definir as espécies de infrações administrativas caracterizadas pelo descumprimento das medidas de isolamento social decretadas;

-Definir os tipos de sanções administrativas, civis e/ou penais passíveis de aplicação às pessoas físicas e jurídicas, em caso de descumprimento das medidas de isolamento social;

– Apontar as autoridades responsáveis pela aplicação das sanções administrativas;

– Lavrar Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCO), pela Polícia Militar do Estado do Amapá, com remessa ao Poder Judiciário, para evitar deslocamentos até as Delegacias de Polícia e consequentes aglomerações de pessoas.

Por outro lado, a Superintendência de Vigilância em Saúde precisa apresentar estudo técnico-científico, com análises sobre informações estratégicas em saúde, que tratem da eficácia da implantação da medida de restrição temporária e excepcional de locomoção intermunicipal, excetuado os casos de necessidade comprovada, devendo, caso o estudo aponte pela indicação dessa medida, apresentar a respectiva recomendação técnica.

Todas as medidas complementares devem ser amplamente divulgadas pelo Poder Público, em sites oficiais, redes sociais e veículos de comunicação de massa.

Fonte: https://www.diariodoamapa.com.br/cadernos/cidades/a-pedido-do-mp-ap-justica-determina-mais-rigor-na-fiscalizacao-para-diminuir-circulacao-de-pessoas-e-conter-avanco-da-covid-19/